• Equilíbrio Psi

DEPRESSÃO, QUE VAZIO É ESSE?

Por Solange Matassoli Gomes – Psicóloga CRP/RJ 05/35480



Atualmente, através da busca desenfreada das diversas formas de tornarmos nossa vida mais prática, utilizamos variadas tecnologias e sem que percebamos, estamos cada vez mais isolando-nos em nós mesmos.


O ser humano é um ser grupal, que necessita estabelecer contatos sociais para sentir-se aceito, acolhido, amado e feliz.


A depressão é uma doença do “organismo como um todo”, que compromete o físico, o humor e em conseqüência, o pensamento.


As pesquisas demonstram que a prevalência de depressão é duas vezes maior em mulheres que em homens e que a idade média do início do transtorno depressivo é de 40 anos, sendo que 50% das pessoas acometidas de depressão iniciam o processo entre 20 e 50 anos. É importante salientar que este transtorno também pode ocorrer na infância ou em idade avançada.


Frequentemente o indivíduo deprimido sente-se triste, desesperançado, desvalorizado, desanimado, sem energia. A depressão altera a forma como a pessoa vê o mundo e sente a realidade, assim como afeta a forma como se sente em relação a si própria e como pensa sobre as coisas. Na depressão, o estado de humor do indivíduo é predominantemente de uma tristeza anormal.


Este transtorno pode ser desencadeado por conflitos internos motivados por fatores circunstanciais, como: perdas (social, material, afetiva, financeira), desemprego, aposentadoria, conflitos familiares, estresse, dificuldade em lidar com mudanças, enfim vários são os fatores desencadeantes desta patologia que está intimamente relacionada à capacidade que cada indivíduo tem de suportar situações que lhe são impostas em seu cotidiano.


O humor depressivo e a perda de interesse por atividades que antes eram capazes de dar prazer à pessoa, são os sintomas chaves da depressão. Alterações do sono também são evidenciadas, pois pode ocorrer insônia, onde a pessoa encontra dificuldade para começar a dormir ou acorda no meio da noite ou mesmo mais cedo que o habitual, não conseguindo voltar a dormir.


A depressão pode afetar o dia a dia da pessoa. Ela é preocupante e muitas vezes, incapacitante. Devido aos frequentes pensamentos de menos valia, culpa em demasia, sentimento de fracasso e incapacidade, existe o risco de suicídio, achando ser esta a “única saída” ou para “se livrar” do sofrimento. Esta é a principal complicação do quadro depressivo.


A intensidade e a durabilidade dos sintomas irão determinar a gravidade da depressão que pode ser leve, moderada ou severa, dependendo de como seja o rompimento do indivíduo com sua realidade interna e externa.


O tratamento farmacológico se faz necessário, dependendo da gravidade do quadro depressivo, porém o tratamento psicoterápico constitui relevância no tratamento, uma vez que objetiva trabalhar as distorções cognitivas, aliviando os episódios depressivos, através do desenvolvimento das formas alternativas, flexíveis e positivas de pensar e auxilia na aplicação de novas respostas cognitivas e comportamentais.


Podemos concluir então que apesar de todo o sofrimento físico e psíquico, a depressão é uma doença reversível, se tratada adequadamente.

3 visualizações