• Equilíbrio Psi

CRIANÇA COM LIMITES, ADULTO FELIZ

Atualizado: 26 de Jan de 2018

Por Solange Matassoli Gomes – Psicóloga CRP/RJ 05/35480



Tem sido muito comum o número de famílias que apresentam dificuldades em conduzir a educação dos filhos e até mesmo de lidar com comportamentos difíceis relacionados à agressividade e rebeldia. Um reflexo disso tem sido a freqüência com que recebemos nos consultórios, pais com angústias evidentes apresentando discursos, como: “Não sei mais o que fazer!”, “Acho que meu filho tem algum transtorno!”, “Não é melhor dar um remedinho para ver se ele se acalma?”… E neste momento é de vital importância que sejamos prudentes como profissionais da saúde, fazendo uma avaliação cautelosa para não ficarmos impregnados pelo discurso apresentado por esses pais e patologizarmos o que simplesmente pode ser o que chamamos pelo senso comum como falta de limites.


Talvez para esses pais que realmente têm dificuldade em assumir seus “poderes”, nomear comportamentos inadequados como “transtorno”, seja uma forma consciente ou inconsciente de eximir-se de suas responsabilidades.


Educar um filho sempre foi um desafio, pois requer dos pais não apenas palavras e conselhos, mas também exemplos práticos de vida no dia a dia, pois como você pode exigir que seu filho se comporte de uma determinada maneira, se você que é o modelo age de forma contrária?


Educar requer tempo e afinco, porém atualmente parece que os pais não têm essa disponibilidade, uma vez que os casais costumam trabalhar o dia todo e delegam toda a responsabilidade a outros cuidadores, como creches, babás, tios e avós.


A falta de limites tem conseqüências negativas para a criança e para o seu desenvolvimento. Colocar limites não significa ser autoritário, mas sim ter autoridade. Pais permissivos simplesmente “empoderam” seus filhos e perdem as rédeas de situações que poderiam ser facilmente controladas. Quanto mais cedo os pais colocarem limites de forma afetiva e segura, menos problemas ocorrerão na adolescência, fase tão temida e conturbada onde os pais sentem-se muitas vezes impotentes, devido às contestações e questionamentos próprios e característicos da fase.


Quando os pais impõem limites a seu filho, estão ensinando-o a aceitar regras, tolerar frustrações e adiar satisfações, a se comportar na escola e na sociedade, despertando valores importantes, como respeito por si e pelo próximo. É importante que a criança aprenda a postergar, esperar e suportar um “não” eventual ou definitivo, pois só assim poderá conhecer seus direitos e exercer seus deveres.


Existem pais que consideram que dizer “não” para seu filho é um ato de desamor. Ledo engano, pois freqüentemente a própria criança de forma indireta, pede este “não” e na maioria das vezes significa: “Eu te amo. Você é importante para mim e por isso estou te dizendo “NÃO”.


Crianças precisam de regras claras, objetivas, coerentes, consistentes, colocadas com segurança e na hora certa, pois acredito ser esta a “receita básica” para que possamos colaborar para o desenvolvimento mental e emocional das crianças, que tanto necessitam de segurança, modelos, atenção e amor.

5 visualizações