• Equilíbrio Psi

ATRASO DE LINGUAGEM

Por Lucélia Sousa – Fonoaudióloga CRFa 10978-RJ



Quando falamos em desenvolvimento de fala, alguns marcos são esperados, sendo que, se estes marcos não acontecem, nos questionamos sobre a possibilidade de haver algo errado com a criança.


Quando a criança não apresenta linguagem oral após os 18 meses, podemos pensar em questões psicológicas, estímulo insuficiente, problemas auditivos, entre outros.


O que os pais devem fazer, então, quando a criança apresenta essa diferença em relação aos demais de sua própria idade? A primeira providência é procurar o profissional adequado para acompanhá-lo e avaliar a situação. Esse profissional poderá ser o fonoaudiólogo, que é aquele que cuida das alterações da fala. Havendo necessidade, esse profissional poderá encaminhar a criança a outros profissionais como: psicólogo, neurologista, otorrinolaringologista, entre outros.


Vale ressaltar que, quando há alteração no desenvolvimento da criança, não devemos esperar o tempo passar achando que, ao crescer, tudo irá melhorar. Pois como já diz o ditado: “melhor prevenir do que remediar”. Então, observando algo que ache diferente, procure quem poderá ajudá-lo, já que, se houver alguma dificuldade, com a intervenção adequada, o problema poderá ser contornado e o auxílio necessário será dado.


Os pais também poderão se perguntar: Como saber que o meu filho está com um atraso no desenvolvimento da linguagem?


Seguem alguns marcos deste desenvolvimento, mas devemos estar atentos que cada criança é única e que o desenvolvimento é individual. Os marcos listados são apenas um guia, uma diretriz e todos os achados devem ser relacionados pelo profissional competente.

  • 0 a 12 meses:

Compreensão através da linguagem não verbal, uso de gestos. Compreende palavras simples e com referência ao concreto. Poderá falar 1 ou 2 palavras com significado.

  • 12 a 19 meses:

Começa a compreender frases simples no contexto. Usa pistas como olhar para completar a informação que quer passar. Uso de algumas palavras.

  • 19 a 24 meses:

Início de conversas básicas. Mantém mais atenção. Aumenta seu vocabulário.

  • 25 a 36 meses:

Compreende situações como perguntas, pedidos de forma mais completa. Forma frases. Vocabulário abrangente.


Os pais podem ajudar a criança a desenvolver a sua linguagem de forma mais plena ao fazê-la interagir com o mundo que a cerca. Podem ser trabalhadas atividades que envolvam os diferentes órgãos dos sentidos.


Primeiro a visão: mostre a criança todas as coisas que existem ao seu redor e nomeie para ela. Assim, ela desenvolve seu vocabulário.


Tato: dê à criança a oportunidade de tocar as coisas. Mexer com diferentes texturas, experimentar através do toque e quando ela estiver experimentando, nomeie tudo para ela.


Audição: fale com a criança mesmo que ela não possa lhe. Use frases simples, curtas e de situações concretas. Escutar: leve seu filho a prestar atenção nos diferentes sons ambientes. Mostre os animais e imite seus sons.


Paladar: use esse sentido para explorar o mundo, os diferentes gostos.

Olfato: ensine a descobrir as coisas pelo cheiro, apresente algo e, depois de sentir o odor, nomeio-o.


Ações: mostre a criança como explorar os objetos ao invés de meramente jogá-los no chão. Mostre como mexer, puxar e usar objetos.


Agindo dessa forma a criança estará em contato com os mais variados estímulos e usando diferentes canais para recepção.

O mais importante: brinque, interaja com a criança, converse com ela. Se notar que a criança poderá apresentar um atraso de linguagem, procure um fonoaudiólogo.

2 visualizações